No Centro Nacional de Reeducação Funcional e de Reabilitação, os psicólogos são também especializados em neuropsicologia e trabalham em complementaridade.
O psicólogo limita-se a escutar as pessoas em tratamento no Centro: estas recebem afectos, emoções que descrevem as perturbações inerentes à doença em consequência de um acidente.
O neuropsicólogo apoia-se nos conhecimentos relativos ao funcionamento cerebral para avaliar também as suas disfunções.
Ele procura compreender a dinâmica e assinalar os factores que perturbam o paciente.
Os psicólogos e/ou os neuropsicólogos no CNRFR podem ser confrontados com diversas questões, desde a origem de uma patologia cerebral até às dores crónicas. Portanto, é necessário :

  • Procurar compreender o que é que exactamente afecta o paciente através de conversas e avaliações neuropsicológicas com vista a elaborar um diagnóstico,
  • Ajudar a pessoa a perceber o que lhe está a acontecer: são necessários exercícios e um acompanhamento regular durante o tratamento para que a pessoa tome consciência.

Esta tomada de consciência, associada a um desejo de agir, é uma das condições necessárias para que o paciente possa participar nos protocolos de reeducação e de reabilitação, com diversas estratégias e objectivos :

  • restabelecimento - reorganização – melhoria da(s) função(ões) deficiente(s),
  • introdução, com os outros intervenientes da reeducação/reabilitação, de estratégias paliativas que privilegiem a alteração do ambiente, incluindo o humano (quando permitido) e a utilização de ajudas externas,
  • trabalho de luto e de aceitação da situação através de acompanhamento, de escuta dos pacientes e da sua família (e/ou parentes próximos), com psicoterapias de suporte, por exemplo.

O trabalho dos psicólogos e dos neuropsicólogos orienta-se numa abordagem de complementaridade e de cooperação com a equipa de reeducação e dos intervenientes, no interior e no exterior do Centro, nomeadamente através de um trabalho de acompanhamento, de encaminhamento, ao lado do pessoal que se questiona sobre a sua prática e, por fim, através de um trabalho de investigação clínica e mais teórica também.
Estes profissionais podem igualmente ser solicitados para :

  • realizar exames de memória, por exemplo,
  • exames sobre o nível de concentração e identificação visual com vista a voltar a conduzir um veículo,
  • ajudar no diagnóstico, nomeadamente o diagnóstico diferencial, como nos suspeitos de demência,
  • o acompanhamento no tratamento contra a dor,
  • as avaliações profissionais e de reorientação,
  • ajudar no relaxamento.